We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

O termóstato humano /premium

3 5 146
12.02.2019

Quanto tempo demorou esta página a abrir? Se foram mais de 5 segundos, aposto que o leitor ficou impaciente. (Mais ainda ao perceber que esteve à espera para ler perguntas parvas). Se 5 segundos parecem muito, imagine 4,5 milhões de anos. É a idade da Terra. Tão velha, que, se fosse uma automotora, a CP pensava duas vezes antes de a usar.

Durante esses 4,5 mil milhões de anos, o clima foi sempre mudando. Ora ameno, ora tempestuoso, ora fresquinho, ora abafado. Há mais ou menos 300 mil anos, aparecemos nós. E o clima continuou a alternar entre quente e frio, farrusco e soalheiro. Eu sei, parece incrível, mas era assim que acontecia. Essas mudanças eram causadas pelo Sol, pelas nuvens, pela inclinação do eixo e pela velocidade de rotação da Terra, pelos raios cósmicos, pela composição da atmosfera, pelos oceanos e pelos vulcões, entre outras forças.

Funcionou assim até 1750, o início da Revolução Industrial. Subitamente, com o CO2 emitido pela queima de combustíveis fósseis, o clima passou a ser controlado pela humanidade. O resto, que trabalhara durante 4,499,999,731 anos, deixou de ter influência. É a única explicação para, agora, se achar que somos nós que mandamos no clima e que podemos alterá-lo à nossa vontade. No fundo, a humanidade é aquela criança que recebe um volante de plástico para colar nas costas do banco do condutor e, como o carro vira quando ela vira o brinquedo, julga que, a partir desse dia, é ela que guia o popó do papá.

Vivo com uma mulher friorenta que liga o aquecimento no máximo, e com 2 adolescentes que deixam as janelas sempre abertas. Se acho difícil controlar a temperatura de uma casa, é-me impossível compreender o conceito de controlar a do planeta. A ser verdade, a humanidade tem a obrigação moral de utilizar esse conhecimento para inventar um micro-ondas que aqueça a sopa por inteiro, em vez de ficar a ferver por cima e gelada em baixo, como uma feminista radical quando prega sobre masculinidade tóxica.

Mas vamos supor que a humanidade controla mesmo o clima e que o aumento de temperatura que, de facto, se verifica desde a Rev. Industrial é causado maioritariamente pelas actividades humanas. Suponhamos também que, tal como a fez subir, o Homem pode parar a sua subida. Basta aplicar o Acordo de Paris que, através de um encarecimento brutal da energia,........

© Observador